”Cadastro positivo vai contribuir para a redução do custo do dinheiro”

Para o CEO do bureau de crédito Quod, a novidade trará mudança de comportamento entre os consumidores e dará acesso a informações financeiras mais precisas para as PMEs

São Paulo —A partir de 9 de julho, entra em vigor o cadastro positivo. Além da pontuação dos consumidores segundo seu comportamento junto a instituições de crédito, também serão levadas em consideração outras fontes de informação para compor uma espécie de raio-X da capacidade financeira de cada pessoa. Anunciada há cerca de dois anos, a Quod foi montada do zero, já com o objetivo de atender a esse novo mercado. O bureau de crédito tem como acionistas os cinco maiores bancos do país — Caixa, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander — e tem Rodrigo Abreu como CEO. Muito do esforço de Abreu e seu time foi dedicado ao desenvolvimento de soluções tecnológicas que permitam um filtro mais preciso do perfil de crédito, mesmo daqueles que hoje não fazem parte do sistema financeiro, seja porque trabalham informalmente, seja porque têm seus CPFs negativados por conta de restrições. Para atender ao volume de dados que deve fazer parte da rotina da empresa, foram montados dois datacenters, além de a Quod contar com cerca de mil servidores. Mesmo

com a expectativa de uma demanda enorme após a entrada em vigor do cadastro positivo, a capacidade instalada será suficiente para garantir o processamento de dados por pelo menos uma década. Além do score de crédito, a Quod vai entrar em outros segmentos, como prevenção a fraudes. A mudança nas regras do mercado de análise de risco de crédito ocorre em um momento em que a economia vai mal. Apesar de saber que há influência desse momento na decisão de tomada de crédito, Abreu acredita que esse tipo de serviço poderá ajudar a destravar a obtenção de recursos, já 
que vai reduzir  riscos das operações.

Fonte: Fenacon