Entenda como vão funcionar TODAS as mudanças anunciadas para o PIX

O Banco Central anunciou novas atualizações para o PIX, sistema de transferências e operações bancárias, para ampliar o uso do pagamento instantâneo. A partir de setembro, essas transações podem ser feitas por instituições que participam do open banking (sistema compartilhado de dados). Assim, as operações não precisam ser feitas apenas por aplicativos, mas sim de diferentes plataformas.

Com essa mudança, será possível efetuar o pagamento com PIX usando o serviço de outras instituições, por meio da figura de um novo agente, iniciador de pagamentos, que irá unir os dois sistemas: PIX e open banking.

Dessa forma, para efetuar uma compra e realizar o pagamento com PIX, o usuário passará apenas por três etapas: basta entrar na loja, efetuar a compra e a transação que, uma vez autenticada, se completa.

De acordo com o Banco Central, esse procedimento é importante para facilitar a atuação dos prestadores de serviços com iniciação no comércio eletrônico e tem o objetivo de aprimorar a experiência do usuário.

A expectativa é de que, apesar da entrada de um novo agente, o serviço continue sem cobrança. “Embora a legislação permita, não acreditamos que isso (cobrança pelo serviço) aconteça. Porque se houver cobrança, o cliente pode continuar usando o PIX da forma que usa hoje. Ele pode dispensar o iniciador”, afirmou Breno Lobo, chefe de Divisão do BC.

O Banco Central estabeleceu a data de 30 de agosto para que as instituições participantes do open banking implementem os procedimentos operacionais para as novas funções do PIX.

Fonte: UOL